Livros de Abril

A-Caminho-do-VerãoA Caminho do Verão – Sarah Dessen

Início da leitura: 25/03/2015

Fim da leitura: 09/04/2015

Nota no Skoob: 4,1

Minha nota: 4

Editora: Editora iD

O livro é sobre o verão de Auden, uma adolescente que acabou de se formar no ensino médio e passou todo esse período somente se dedicando aos estudos. Ou seja: diversão zero. Ela é filha de pais separados e irmã de um bon vivant, que ao contrário dela curte demais a vida. Auden vai para o litoral passar as férias com seu pai, sua madrasta e sua irmãzinha recém-nascida. Durante esse período ela revê seus conceitos, vive novas experiências, faz amigos, se apaixona e cresce.

Sempre fui fã de livros neste estilo. Não sei se fiquei velha ou se Sarah Dessen não me cativou. A verdade é que Auden não é muito carismática. A personagem é chata, careta, egoísta e se acha superior aos outros por ser aparentemente mais inteligente. É daquele tipo que considera o conhecimento adquirido através dos estudos tão mais importante que todo o resto que não se permite viver a vida e ainda tem preconceito com quem curte mais do que ela. Acredito que essa construção tenha sido de propósito para ocorrer a mudança de visão da personagem. Mas ler um livro com a visão de uma personagem que tem esse pensamento na maior parte do tempo é de revirar os olhos.

A família de Auden tem basicamente os mesmos problemas que ela. Todos são egoístas demais. A mãe é controladora, manipuladora e arrogante. O pai é machista, ausente e egocêntrico. O irmão é levemente irresponsável, mas ainda é mais gostável que os outros.

O par romântico de Auden foge totalmente do clichê de príncipe. É um cara com problemas, mas que desperta empatia. A relação dela com Auden é bem legal e ele consegue torná-la mais simpática aos olhos do leitor.

Acabei me identificando e torcendo mais por duas personagens coadjuvantes: Heidi e Maggie. Heidi é a madrasta de Auden que acabou de ter um bebê. Na visão de Auden, Heidi é uma barbie. Bonita e sem conteúdo. Com o tempo vemos que Auden estava completamente errada (olha o preconceito dela aí) e é impossível não se solidarizar com o sofrimento que a aflinge por ter que cuidadar da filhinha, da loja e de tudo sem a menor ajuda do marido. Sinceramente, fiquei com pena da Heidi e não sei como ela se casou com o pai da Auden.

Maggie trabalha na loja da Heidi, onde Auden também vai trabalhar. No início as duas não se dão bem, mas acabam virando amigas. E isso só acontece porque Maggie é um amor e busca isso, já que Auden também tinha preconceito com ela. Inclusive essa amizade das duas é essencial para o desenvolvimento de Auden e da trama.

Apesar de todas as mudanças de Auden ao longo da história, não consegui criar um vínculo e me importar com ela. O que considero um fator decisivo para gostar de um livro. A escrita é boa, mas achei o livro desnecessariamente “grande”. Dava para reduzir umas 50 páginas.

A nota seria 3, mas no final do livro a autora fez uma lista de músicas que a inspiraram e colocou Dashboard Confessional. Um ponto por isso. <3

Resenha-Lançamento-A-Toda-Prova-Harlan-Coben-Livro-CapaA Toda Prova – Harlan Coben

Início da leitura: 10/04/2015

Fim da leitura: 13/04/2015

Nota no Skoob: 4,4

Minha nota: 5

Editora: Editora Arqueiro

“Oito meses se passaram desde que Mickey Bolitar presenciou a trágica morte de seu pai. Por muito tempo, o garoto não teve nenhum motivo para questionar o que aconteceu naquele acidente fatal.
Porém, de repente, ele começa a perceber mentiras, segredos obscuros e questões sem resposta que o deixam desnorteado. Por que sua vizinha reclusa afirma que Brad Bolitar está vivo? Por que o paramédico que tentara socorrer seu pai reapareceu subitamente na cidade?
Mesmo ansiando pela solução do mistério, Mickey precisa se dedicar a outro estranho caso. Sua amiga Ema revela que começou um relacionamento pela internet e que está apaixonada. Contudo, seu suposto namorado sumiu sem explicação. Recusando-se a acreditar que foi enganada, ela pede a ajuda de Mickey.
Aparentemente, a fama do sobrinho de Myron Bolitar como investigador já se espalhou, pois até seu rival, Troy Taylor, suplica que ele o auxilie. O garoto foi pego no exame antidoping e ficará de fora do time de basquete em seu último ano na escola. Ainda que desconfiado, Mickey acaba se envolvendo em uma trama que se mostrará mais grave do que parece”.

Este é o terceiro livro da saga de Mickey Bolitar (sobrinho de Myron Bolitar, protagonista da principal saga do Harlan Coben). É difícil falar dele sem dar spoiler dos dois anteriores. A história começa exatamente do ponto onde “Uma Questão de Segundos” terminou. Mais ação, mais mistério, algumas respostas. É chover no molhado falar como um livro do Harlan Cobem prende e faz você não querer parar de ler.

Para sempre uma recomendação.

OBS: Só acho que a Editora Arqueiro poderia fazer capas mais bonitinhas para os livros do Harlan Coben. São todas meio bagaceiras. Mas vendo as dos EUA eu fico até feliz, lá elas são piores.

Comentar via Facebook

Comentários

2 comments

    • Camilla Gonçalves
      Camilla Gonçalves says:

      Falam que o livro Just Listen da Sarah é muito bom! Pretendo dar uma chance, porque acredito que o problema foi a protagonista mesmo e não a autora. Esse “O que aconteceu com o adeus” não conheço. Vou procurar.
      Harlan Coben eu te recomendo de olhos fechados!!! Leia Não Conte a Ninguém!

      Beijos!!

Deixe uma resposta