Resenha: Inferno – Dan Brown

DSC05310

Início da leitura: 24/10/2013

Fim da leitura: 05/11/2013

Páginas: 443

Nota no Skoob: 4,3

Minha nota: 5 (e favoritado!)

Editora: Arqueiro

Sinopse: Neste fascinante thriller, Dan Brown retoma a mistura magistral de história, arte, códigos e símbolos que o consagrou em “O Código Da Vinci”, “Anjos e Demônios” e “O Símbolo Perdido” e faz de Inferno sua aposta mais alta até o momento. No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado numa das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri. Numa corrida contra o tempo, ele luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o leva para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo poema de Dante, e mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.

Opinião da leitora:
Nunca fui fã de Dan Brown.
Li O Código Da Vinci na época em que virou best seller. Gostei, mas não o suficiente para que eu procurasse outros títulos do autor. Na verdade, senti muita “teoria da conspiração” vinda do livro. O que me deixou com uma birrinha dele.
Um tempo mais tarde vi o filme Anjos e Demônios e a história me interessou mais do que a do Código, mas também não foi o suficiente para que eu lesse o livro.
Acho que histórias envolvendo religião não são minhas favoritas.
Aí ganhei Inferno de aniversário (ano passado) e comecei a ler. Foi uma grata surpresa! O livro me prendeu desde o início (ao contrário do Código, que às vezes foi meio arrastado para mim). A história me agradou muito, desde a premissa que impulsionou o vilão até como tudo foi construído e finalizado. Não me pareceu prepotente nem inverossímil.
O livro me prendeu tanto que não resisti e li com o google street view e a wikipedia do lado, para não perder nenhuma referência. Esse é um grande mérito do Dan Brown. Fazer com que o leitor busque informações.
Todas as ligações com a obra de Dante foram muito bem construídas. E adorei cada uma delas.
Resumindo: Achei o livro sensacional. Na minha opinião, ele é bem menos viajante do que o Código ou Anjos e Demônios. Achei bem mais próximo da nossa realidade. Você termina de ler com a sensação de que isso pode de fato acontecer.

Os lugares mais sombrios do inferno são reservados àqueles que se mantiveram neutros em tempos de crise moral.

E agora faço um apelo: leiam! Estou há um ano LOUCA para comentar sobre esse livro e ninguém me deu esse prazer ainda!

Comentar via Facebook

Comentários

8 comments

  1. Juliana Rodrigues says:

    Já li o “Código”, mas gostei mais do “Fortaleza digital”. Ganhei o “Anjos e Demônios” há anos mais nunca li… Acho que também fiquei com um pouco de birra porque achei muito teoria da conspiração e outros livros acabaram tomando a frente na minha lista para ler. Mas ainda pretendo retomar o “Anjos” e ler este aí.

  2. Massa says:

    Camillita,

    Olha só que curioso: eu já gostei bem mais do Código que do Inferno.

    O Langdon parece que já tem 1000 anos: ele conhece todo mundo e todos os lugares do mundo, com detalhes. Ele conhece profundamente de estatística, história e geografia dos lugares mais pitorescos, conhece física quântica, literatura.. se somássemos o tempo necessário para ler livros e estudar estes assuntos.

    Além disso, ele deve ser candidato a alguma coisa. O cara conhece todo mundo e todo mundo ama ele! Sempre tem alguem que fala “Robert Langdon! Faz tempo que não te vejo. Se quiser meu iate de 40 milhoes de dólares para ir até Veneza, pode levar! é todo seu”. Nem James Bond tem tantos recursos a disposição.

    E a aventura dele segue sem maiores problemas…


    Mas devo dar o braço a torcer para o final, que achei massa.

    abraço,
    Massa

    • Camilla Silva
      Camilla Silva says:

      Muito obrigada pelo comentário, Bruno!!

      Concordo com seu ponto. É impossível ter todo o conhecimento que o Langdon parece ter. Ele teria que ser uma máquina para guardar tanta informação!

      Hahahaha pior é que é assim mesmo! Acho que o Dan Brown exagera nesses recursos de 007. Sempre que parece impossível escapar, o Langdon consegue dar um jeito mirabolante.

      Acho que eu gostei tanto do livro pelo final. E também por abordar um tema mais realista que o do Código. Eu terminei de ler e fiquei pensando que um louco poderia mesmo inventar uma coisa dessas!

Deixe uma resposta