Sobre terminar direito ou “Termine, mas não suma”

Eles se conhecem, eles conversam, eles saem, eles se curtem, mas em algum momento algo desanda. Uma das partes não está mais satisfeita e acha melhor terminar. Algo de errado nisso? Absolutamente! Não existe nada de errado em querer terminar com alguém. Se o relacionamento não está bom, termine! E nada de ficar com raiva do outro por causa disso. Ninguém é obrigado a ficar com ninguém. Ninguém é obrigado a gostar de ninguém. Vamos todos aprender isso. Copiar essas frases e colar na parede. Adotar como mantra para a vida.

Porém, tem uma coisa que todos merecemos: respeito. E outra coisa que pessoas que se relacionaram em algum momento devem umas às outras: consideração. Infelizmente nem todos lembram desses dois pequenos detalhes na hora de jogar o relacionamento para o alto. Términos por telefone, por whatsapp, términos agressivos, o tal do “vamos dar um tempo” (também conhecido como “fica aí me esperando enquanto eu vivo minha vida”) e até o “tomou doril” (quando a pessoa simplesmente some).

Com a ascensão da tecnologia, o bom e velho olho no olho deu lugar à tela na tela. Algumas pessoas não se incomodam em receber uma mensagem de “acabou” por telefone ou por algum aplicativo de troca de mensagens. Algumas até preferem assim para não demonstrar sofrimento na frente do antigo amor. Particularmente ainda acho que a melhor forma de decretar o fim é pessoalmente. Pode haver choro? Pode. Pode haver escândalo? Só se você se relacionar com um louco. Em casos normais (lê-se: onde as duas pessoas são maduras) não existe motivo para não ter a consideração de chamar o outro para uma conversa, explicar brevemente que não quer mais e cada um seguir sua vida.

Mas atenção ao conteúdo da conversa! Nada de ser agressivo ou jogar a culpa no parceiro. Ninguém é perfeito, portanto os dois devem ter cometido erros no relacionamento. Também não faça acusações ou afirmações com a entonação de verdade absoluta do tipo: “você não me compreende”. Prefira sempre “eu SINTO que você não me compreende”. O momento já será delicado, não existe a necessidade de despejar raiva e frustração. Será pior para todos.

Está na dúvida se quer mesmo terminar? Pense. Mas pense com você, não peça um tempo. O tempo é aquele limbo. Não se sabe se ainda existe um compromisso ou se terminou de vez. Posso sair com outras pessoas? Devo satisfação? Posso cobrar? Falo ou não falo? Por experiência própria eu digo que tempo não existe. Um dos lados vai continuar apegado enquanto o outro vai desencanar e o término, que poderia ser tranquilo, vira um transtorno. Não peça nem dê um tempo. Melhor terminar de vez.

Também existem aquelas pessoas que por algum motivo preferem sumir. Não sei dizer se é medo de dizer para alguém que você não quer mais nada. Não sei se é para não ter que dizer para todas as outras pessoas o porquê de terem terminado (e poder falar “nos afastamos”). Não sei se é para deixar a porta aberta e voltar algum dia. Ou se é simples e pura falta de consideração. Independente do motivo, é a forma mais covarde de terminar um relacionamento porque a pessoa está vendo somente o seu lado.

É importante colocar um ponto final nas coisas. E o sumiço é uma eterna reticências que não se sabe se vai continuar ou não. Não faz bem para quem tem que lidar com a ausência repentina do outro. São muitos questionamentos, muitas dúvidas e uma angústia terrível. Fora que é a maneira que mais grita “não me importo com você”. E ninguém gosta de sentir que não é importante, né? Ainda mais depois de passar momentos felizes ao lado da pessoa.

Por isso eu considero muito as pessoas que têm a coragem de terminar cara a cara. Para mim é uma demonstração de respeito e consideração pelos sentimentos do outro. Pode dar mais trabalho, pode prolongar a conversa, mas são grandes a chances do saldo ser positivo. É reconfortante para todos os lados terminar bem. Evita-se raiva e mágoa. Afinal, não existe motivo para nutrir sentimentos ruins quando o outro é sincero, respeitoso e gentil. Em um mundo onde a empatia está cada vez mais rara, exalto aqueles que se colocam um pouco no lugar do outro na hora de terminar um relacionamento.

E vocês? Como preferem terminar?

*

Para os “terminados”, favor ler “Amor que não se pede” e relembrar o mantra do início do texto.

Comentar via Facebook

Comentários

Deixe uma resposta